Zamora

Zamora


Declarada de Interesse Turístico Internacional em 1986, a Semana Santa de Zamora é o evento religioso, cultural e social mais relevante da cidade. Durante os dias das principais celebrações a cidade quintuplica sua população e converte-se num fervedouro de emoção, austeridade e fé.

A Páscoa em Zamora é uma das mais conhecidas a nível nacional e internacional, com um carácter próprio que expressa uma grande tradição que remonta à época medieval. Trata-se da principal festa da cidade, e deste modo vivem-na também os numerosos cidadãos que enchem as ruas. Destacam-se as procissões, austeras e expressivas, junto à religiosidade com que se vive e a beleza dos percursos pelas ruas da cidade velha. Também conta com andores e esculturas de qualidade, como o do Cristo das Injúrias, bem como outros estatuários como Benlliure ou Ramón Álvarez.

Obrigatórios são o juramento do Silêncio na Quarta-feira Santa à tarde, antes da procissão do Santo Cristo das Injúrias, em que a presidente da Câmara oferece o silêncio à cidade presidida pelo Cristo aos olhos de todos os confrades. Entre muitos outros momentos relevantes das celebrações do período pascal, destacam-se: A austeridade da procissão “Capas pardas”, à meia-noite da Quarta-feira Santa; o canto do Miserere, na procissão do Jacente, na Quinta-feira Santa; a procissão na madrugada da Sexta-feira Santa, pela Irmandade de Jesús Nazareno Vulgo Congregación; a Solenidade do Santo Enterro na tarde da Sexta-feira Santa; e, por fim, a manifestação alegre de foguetes e bichas-de-rabear do Domingo da Ressureição.

Dezessete são as confrarias que a partir de quinta-feira anterior ao domingo de ramos, até domingo de Páscoa saem em procissão pelas ruas de Zamora

A Páscoa zamorana tem também uma componente gastronómica própria. É tradição tomar ao pequeno-almoço sopa de alho tradicionalmente na manhã da Sexta-feira Santa quando a procissão das cinco da manhã chega a Tres Cruces, enquanto que ao longo do desfile os confrades distribuem entre o público as amêndoas confeitadas.

O domingo da Ressureição, depois de terminar a procissão é tradição comer o “dos y pingada” dois ovos com presunto frito e torradas.

Outros pratos típicos da semana é o bacalhau a la tranca ou alho arriero sem esquecer as tradicionais aceitadas.

Más Información