Sierra de la Culebra

Sierra de la Culebra

Rodeada pelas regiãos de Aliste, Sanabria e a portuguesa Trás-os-Montes ergue-se a Serra da Culebra, Reserva Regional de caça de 65 891 hectares. A topografia, de formas suaves e ondulantes, lembra o réptil que lhe deu nome (cobra).

O relevo da Serra da Culebra é de baixa altitude, com uma profusão de ardósia e quartzito que surgem entre a vegetação. O seu ponto mais alto são 1 243 metros de Peña Mira uma varanda esplêndida sobre a montanha e continua no português Parque Natural de Montesinho. Como em outras zonas de montanha, a água modelou um relevo abrupto, com grandes declives; há ravinas e pequenos riachos nos quais predominan as características erosivas, com nascentes de alguns rios cujo caudal máximo se atinge nos vales adjacentes à serra, como é o caso do rio Aliste.

A riqueza da flora da Serra da Culebra é equiparável à da fauna. Várias espécies de pinheiro, bem como espécies autóctones de carvalho, carvalho negral e castanheiros tem contribuído para uma paisagem agreste digna de uma visita. As suas florestas oferecem também excelentes locais para a prática do turismo de micologia, os recolectores de cogumelos encontram nesta serra uma ampla variedade dos afamados frutos da floresta entre os quais realçam muitas variedades de cogumelos e as deliciosas amanitas caesareas.

Na reserva regional encontra-se a população mais numerosa de lobo ibérico de Espanha que deu fama a esta comarca zamorana. O lobo passeia a seu belo prazer por terras nas quais, chegando o Outubro, o combate entre veados e os seus bramidos anunciam um espectáculo digno de se ver. O javali, o veado, a raposa, a lontra, o gato-montês ou o texugo, também habitam esta área. A fauna da Serra da Culebra é uma das mais ricas de Castela e Leão. Por isso este espaço natural tem-se tornado em encontro assíduo de naturalistas e atrai um elevado número de aficionados à observação destas espécies faunísticas organizando esperas em áreas especificamente seleccionadas para não perturbar os animais e poder observar sobretudo o lobo e os bramidos dos veados no seu ambiente natural.

Está prevista para breve a abertura do Centro de Interpretação do Lobo na localidade de Robledo, em plena Serra da Culebra. O projecto foi concebido como um lugar de estudo e investigação, tanto do ponto de vista da ciência como etnográfico e cultural.