Gastronomia

Gastronomia

Zamora Com Muito Gosto 

A gastronomia vem sempre definida pela personalidade da cada território e converte-se num elemento diferenciador e de identidade de cada comunidade. Zamora foi terra essencialmente pecuária e agrícola, por isso são pilares fundamentais da mesma os seus produtos autóctones, naturais e de primeira qualidade.

Alguns pratos converteram-se em verdadeiros referentes da gastronomia zamorana, pela sua permanência secular no receituário popular e pela sua ligação à sua zona de origem. O arroz à zamorana, o bacalhau a la tranca e o polvo ou a truta à sanabresa compõem o grupo de referência da mais sólida consistência de um afamado receituário, que se estende a todo tipo de comarcas e zonas, e que até a sua toponímia ajuda a “baptizar” os pratos, quando se trata de identificar outras receitas clássicas: habones de Sanabria, javali al tinto de Toro, borrachos de Tierra de Campos, tarte del Císter ou cañas à zamorana. Receitas que fazem referência a cultivos ou ingredientes tradicionais e a esse passado agrícola e pecuário que hoje desemboca no compromisso das suas gentes pela manutenção e consumo de produtos da terra, com qualidade.

No entanto, a gastronomia zamorana, tal como o resto da região, espelha o momento que vive a cozinha espanhola, mantém uma clara liderança na vanguarda durante a última década. Esta corrente tem levado os profissionais da cozinha a um novo mundo na técnica e interpretação dos pratos; o conceito de inovação tocou fundo os profissionais zamoranos, que souberam transladar essas novas práticas aos seus restaurantes. Não é raro encontrar como o nosso queijo zamorano, a truta ou o estufado de legumes sofreram uma transformação no prato. Numerosas publicações especializadas e guias de restaurantes têm destacado e elogiado a cozinha de muitos restaurantes de Zamora e província.

E a isso é preciso acrescentar o fenómeno da mini-cozinha que serviu para valorizar a tradicional tapa, tão enraizada em Zamora. Graças ao envolvimento da restauração zamorana potenciou-se esta fórmula de cozinha criando tapas (petiscos) tão requintadas como artísticas dando lugar à célebre iniciativa “De tapas por Zamora”, concurso em que participam grande parte dos estabelecimentos elaborando uma tapa para concursar com um preço de venda de um euro.