Turismo do vinho

Turismo do vinho


Outra maneira diferente de conhecer parte da província de Zamora é seguir o fio condutor “o vinho”. Não é em vão, uma vez que Zamora conta com três zonas vinícolas protegidas com a Denominação de Origem e uma quarta com a Denominação de Origem Protegida.

Quatro denominações que, ao percorrer a nossa província, permitem ao turista descobrir algumas das atracções turísticas mais interessantes: de Norte a Sul, através da Denominação de Origem “Tierra del Vino”, que atravessa a “Rota da Prata”, rota jacobeia que inclui entre outras localidades Cubo del Vino, Villanueva de Campeán ou a própria cidade de Zamora, a maior concentração de templos românicos da Europa.

No extremo Sudeste da província, estende-se a comarca vitivinícola de Toro, a Denominação de Origem mais antiga. A capital da Denominação, Toro, é o epicentro das visitas turísticas, pelo seu extenso Património.

Mas se há uma parte do nosso território com a marca da viticultura e que sem dúvida fascinará o visitante, é a comarca dos Arribes zamoranos, onde as vinhas ocupam um lugar nas encostas, formando os tradicionais socalcos. Estes vinhos estão protegidos pela Denominação de Origem Arribes.

A complementar a visita aos vinhedos, com viagens de barco, que permitirá conhecer um dos espaços naturais mais surpreendentes da nossa província, o Parque Natural das Arribas do Douro.

Grande parte dos vinhedos estão inseridos em conjuntos históricos como Fermoselle, que conta com alguns exemplos destacados da arquitectura tradicional.

Por último, os vinhos dos Valles de Benavente, apoiados recentemente sob a Denominação de Origem Protegida. Percorrendo esta rota, destaca-se o monumental património de Benavente, ponto estratégico e cruzamento de caminhos em plena Via da Prata. Além disso, percorrer os Valles, permitirá ao viajante conhecer um dos mais interessantes itinerários de turismo de arqueologia zamoranos.

ToroArribesTierra del Vino
Valles de Benavente